« Voltar para Meio ambiente

Meio ambiente

PETRÓLEO

21 OUT, 2016 Autor: José Roberto Abramo
PETRÓLEO (21/10/2016)

Petróleo, sua natureza e necessidade na civilização. E ainda, a História do PRÉ-SAL. (arquivo em vídeo)

 PETROLEO /Linksaber, reproduz

TÁ NA REDE – Petróleo

1a Parte

Petróleo, sua natureza e necessidade na civilização

O Tá na Rede de hoje vai falar de Petróleo.

Começo nosso programa “Tá na Rede” de hoje com uma citação de Monteiro Lobato que nos dá a justa dimensão da imensa importância para a civilização planetária do Petróleo.

“O caso do petróleo brasileiro prende-se ao caso do petróleo em geral. Esse produto é o sangue da terra; é a alma da indústria moderna; é a eficiência do poder militar; é a soberania; é a dominação. Tê-lo é ter o Sésamo abridor de todas as portas. Não tê-lo é ser escravo. Daí a fúria moderna na luta pelo petróleo.” 

(Monteiro Lobato, em O escândalo do petróleo e do ferro.).

O petróleo é, há muito tempo, a principal fonte energética da humanidade; porém, seu uso vem de longa data. Os povos antigos, a mais de 4000 anos, utilizavam-no para a pavimentação de estradas, calafetação de grandes construções, aquecimento e iluminação de casas, e ainda como lubrificante e laxante.

Do século XIX para cá em um crescendo, o Petróleo vem sendo a base do consumo de toda a sociedade, posto que é extremamente necessário para se manter todas as engrenagens sociais em funcionamento. Mas, qual a origem do petróleo.

http://www.mundobla.com/a-busca-daniel-yergin/

Origem: Embora objeto de muitas discussões no passado, hoje é tido como certa a sua origem orgânica, sendo uma combinação de moléculas de carbono e hidrogênio.

A formação do petróleo vem da deposição, no fundo de lagos e mares, de restos de animais e vegetais mortos ao longo de milhares de anos. Estes restos iam sendo cobertos por sedimentos, e mais tarde esses sedimentos se transformaram em rochas sedimentares. Devido a circunstâncias da ação do calor e da alta pressão provocados pelo empilhamento dessas camadas, o petróleo vai ser encontrado em cavidades existentes entre as camadas do subsolo.

Quimicamente, o petróleo é oleoso, inflamável, com cheiro característico, em geral, menos denso que a água e escuro. O petróleo consiste fundamentalmente de átomos de Carbono, Hidrogênio e quase sempre de Enxofre; sob a forma de Hidrocarbonetos.

O Enxofre não é componente de um hidrocarboneto, porém contamina-os e deve ser retirado, na queima de combustíveis é corrosivo e na atmosfera  responsável pela formação da chuva ácida. A presença de enxofre na gasolina vem caindo nos últimos 15 anos, e a partir de 2014, houve uma diminuição mais acentuada de enxofre na gasolina, e esta é equiparada agora com o combustível de outros países com grande frota de veículos.

 

Composição do Petróleo: Carbono  81-88%;   Hidrogênio 10-14%; Oxigênio 0.01-1.20%; Nitrogênio 0.002-1.70%; Enxofre 0.01-5.00%

http://www.uenf.br/uenf/centros/cct/qambiental/pe_formacao.html

 

 

Agora vamos falar dos derivados do Petróleo que são muito mais do que simplesmente o combustível, embora este seja o principal derivado, ou o de maior uso:

A saber:

Gás liquefeito (GLP, ou gás de cozinha), gasolina, nafta, óleo diesel, querosene de aviação e de iluminação, óleo combustível, asfalto, lubrificante, combustível marítimo, solventes: aguarrás, thinner, acetona, parafinas e coque de petróleo;

Óleos lubrificantes, graxa e vaselina, parafinas, líquidos para transmissões hidráulicas;

Polimeros: PVC, PVA, materiais plásticos, para cozinha, fiação elétrica, forração de estofados, eletrodomésticos: cabos, tampas, etc;

Cosméticos: derivados de petróleo para perfumes, ceras de depilação, óleos, Xampus, condicionadores e tinturas para cabelo, a vaselina, um dos derivados do petróleo, também é utilizada como um potente hidratante para os lábios e base para o batom;

Borracha sintética: Mais forte e resistente a mudanças intensas de temperatura, a borracha sintética normalmente substitui o látex em diversos produtos, como artigos esportivos, tênis e pneus – em geral, um pneu demanda o equivalente a 8 galões de petróleo. A borracha sintética também é usada em fiações e isolamento de cabos, mas seu custo elevado impede que seja usada com mais frequência;

Remédios: muitos remédios (em especial os analgésicos e, curiosamente, até mesmo os homeopáticos) contêm benzeno, um derivado do petróleo, a fabricação da aspirina começa com benzeno, um hidrocarboneto que normalmente é derivado de produtos petrolíferos;

Produtos de limpeza: Quase todos são compostos por uma série de ingredientes artificiais como fragrâncias e corantes que têm origem no Petróleo;

Lápis de cera: esse tipo de produto faz muito sucesso entre as crianças é proveniente da parafina, a cera sólida feita a partir do petróleo.

Tecidos sintéticos: o náilon, acrílico, poliéster, spandex e tergal são muito usados tanto em roupas quanto em produtos como cortinas e carpetes;

Alimentos: corantes, flavorizantes e conservantes ou indiretamente em fertilizantes artificiais e pesticidas quando na produção de alimentos;

Plástico: A produção de plástico, um composto sintético extremamente presente no dia-a-dia da maioria das pessoas – encontrado em garrafas d’água – garrafas PET, caixas de DVD e naqueles copos descartáveis, toalhas plásticas para suporte de travessas, centros de mesas, em bares e restaurantes e até em casa.

Utensílios para animais, água e comida.

Embalagens de remédios, sacolas supermercados.

Réguas, em material escolar.

Prendedores de cabelos, sapatilhas e chinelos.

Tênis, solados, forração de automóveis, painéis;

Nos automóveis em plásticos das lanternas, e da mesma forma em aviões e navios para painéis, fiação, espuma, capeamento de fiação;

E até trilhos como dormentes de plásticos quase tão duros quanto aço.

Teclados de computador, gabinetes.

Acrílico, um substituto do vidro, mais resistente e que não quebra facilmente;

A lã de vidro: Lã de vidro para indústria e construção civil, qual seja para isolação termo-acústica para carros, caldeiras, coberturas, forros, piscinas e paredes. Resistente, maleável, reciclável, higiênica, etc;

O isopor é um plástico celular rígido, resultado da polimerização do estireno em água, é um derivado de petróleo muitíssimo utilizado para isolante térmico.

Poliuretano (um tipo de polímero): O Poliuretano está presente na espuma do colchão, e como já mencionamos acima, na cadeira do estofamento também feita deste material, assim como os assentos de veículos automotivos. Também a esponja para lavar louças, em geladeiras, a lycra, pranchas de surf e até no solado do seu calçado o poliuretano está presente (conforme também já foi mencionado).

Vemos por estas colocações que o petróleo é de fato algo tão importante, e que não serve apenas como combustível, que dá até um frio na barriga pensar que teremos um grande trabalho para substitui-lo, não apenas como matriz energética, mas em toda a sua utilidade.

Como faremos?

Bom, mas e o Pré-Sal, a grande descoberta da Petrobras em 2007?

2a Parte

O Pré-Sal e o Petróleo brasileiro

Nosso grande dilema é se o poder sobre o Petróleo deve ficar nas mãos do Estado ou das Empresas concessionárias.

Existem dois modelos de exploração do petróleo nacional:

A concessão e o contrato de partilha instituído em 2010. O modelo de concessão foi utilizado pelo País até 2010, quando a sanção das leis 12.276/10 e 12.351/10 criaram um novo marco para a exploração do pré-sal. Neste, o regime de partilha para as áreas de exploração descobertas dali em diante, deixando o modelo de concessão apenas para os contratos que já tinham sido feitos. No regime de partilha o Estado é proprietário do petróleo extraído, cabendo à empresa contratante explorar e extrair o petróleo, às suas custas, em troca de uma parte de petróleo extraído. A parte da produção que cabe ao Estado é retida e armazenada pelo mesmo ou por uma empresa estatal que gerencia a comercialização do petróleo. A Petrobras, por exemplo, atua sempre como operadora, com uma participação mínima de 30%. Em outros casos, pode haver a possibilidade de o Estado contratar a mesma empresa exploradora do campo para administrar o petróleo de propriedade estatal.

Apesar dos diferentes arranjos institucionais do marco de cada país, de forma simplificada, a principal característica nos regimes de concessão é que o concessionário é o dono de todo o petróleo que produz, mas também é obrigada a pagar participações ao governo, tais como bônus de assinatura anuais, royalties, tributos sobre a renda, participação especial, e taxa por ocupação da área em alguns casos.

No modelo de partilha, por sua vez, o Estado é o dono do petróleo produzido.

http://www.cartacapital.com.br/especiais/infraestrutura/partilha-ou-concessao-entenda-as-diferencas-entre-os-modelos-de-producao-7119.html

 

Dentre as vantagens em se ter o Estado como controlador da produção, segundo o regime de partilha, estão pontos como o poder de controlar melhor o ritmo da produção; manejar diretamente a venda do petróleo para o exterior; poder planejar o setor como engrenagem de uma política industrial mais ampla.

A regulamentação de Conteúdo Local (CL) faz parte de uma política do governo federal que com este dispositivo contratual tem o objetivo de incrementar a participação da indústria nacional de bens e serviços, em bases competitivas, nos projetos de exploração e desenvolvimento da produção de petróleo e gás natural. O resultado esperado da aplicação da cláusula é o impulso ao desenvolvimento tecnológico, viabilizar uma política de expansão da Indústria Naval, da Indústria de construção pesada no Brasil, permitir a capacitação de recursos humanos e a geração de emprego e renda nesse segmento.

 

Situação atual da Petrobras

Apesar da crise mundial de comodities:

A Petrobrás tem um caixa de 100 bilhões de Reais. Os investimentos da Petrobras englobam 20 empresas do setor do petróleo, derivados e gás natural. Os trabalhos vão desde a pesquisa, extração, refino, transporte até distribuição de derivados para o consumidor final.

O Plano do ex-presidente Bendine (no último governo, até Maio 2016),  era de investimentos de 98,4 Bilhões de dólares para período de 2017 - 2020 e com a nova administração de Parente (de Maio/2016 em diante), cai 25%, e vai de 2017 a 2021, cerca de 74,1 Bilhões de dólares, e prevê vendas de ativos na faixa de 19,5 Bilhões de dólares, o que já seria parte da ideia de permitir a entrada do capital estrangeiro. Percebe-se uma mudança de orientação quanto à participação nacional no investimento e gestão do Petróleo.

Lembrar que nos últimos anos a companhia experimentou um crescimento sem precedentes, a custa do modelo de investimento e tecnologia nacionais. De 30 mil empregados em 2003, passa à  85 mil empregados no momento atual. O nível de investimento também cresce no período, de 5 Bilhões de dólares anuais em 2003 para uma média de 48 bilhões de dólares, nos últimos anos, considerando que houve queda do preço do barril de 110 dólares (meados de 2014) para menos de 30 dólares atuais (Janeiro de 2016), tendo chegado agora a 50 dólares o barril, assim este nível de investimento tem substancial queda na média anual, chegando aos valores já mencionados acima, nos quadriênios e quinquênios. O Brasil terá 1, milhão de barris a mais no ano que vem (2017).

A produção total de petróleo e gás natural no Brasil no mês de agosto/2016 totalizou 3,293 milhões de barris de óleo equivalente por dia, ultrapassando o recorde anterior obtido em julho de 2016, quando foram produzidos 3,21 milhões de barris diários.

Só de petróleo do Pré-sal, já batemos o recorde de 1,0 milhão de barris por dia, perfazendo cerca de 40% da produção de Petróleo. Tudo isto com tecnologia absolutamente nacional.

http:/oticias.sapo.cv/info/artigo/1487007.html

Portanto, dada a importância do Petróleo devemos olhar com carinho se devemos de fato ter o estado como proprietário do petróleo e a Petrobras como Operadora, com conteúdo local, ou se vamos voltar às concessões, onde perdemos a propriedade do petróleo, controle e fiscalização da exploração, mesmo que mantido o conteúdo local, ainda que a participação do Estado é garantida em menor valor.

 

Então vimos que o Petróleo é importante para o mundo e uma riqueza que o Brasil tem.

Pesquise sobre isto, porque o que vimos aqui foi um resumo. Converse com seus professores e leia artigos pertinentes.

O Vai Ali fica por aqui agradecendo sua atenção, e se você gostou, compartilhe, curta, comente, e fale com os amigos.

O VAi Ali está na Rede.

http://g1.globo.com/economiaegociosoticia/2016/09/petrobras-reduz-plano-de-investimento-para-us-741-bi-em-5-anos.html

http://www.contasabertas.com.br/website/arquivos/12499

https://www.youtube.com/watch?v=xrVxg__V89Y

http://hypescience.com/produtos-derivados-do-petroleo/

http://www.dicasdemulher.com.br/produtos-surpreendentes-feitos-com-petroleo/

http://brasilescola.uol.com.br/quimica/polimeros-rearranjo.htm

 

 

 

 

Vídeos

Comentários

Nenhum comentário feito. Seja o primeiro!

Deixe um comentário:

[ Não será exibido ]
 
 

Mais Meio ambiente

Meio ambiente, lixo, preservação, sustentabilidade

23 OUT, 17 Autor: José Roberto Abramo

Vamos fazer um breve resumo de cada eixo.

SAIBA MAIS

ÁGUA

26 OUT, 16 Autor: José Roberto Abramo

Programa : TÁ NA REDE

SAIBA MAIS

ENERGIA GEOTÉRMICA

29 ABR, 15

 ENERGIA   -  GEOTÉRMICA  -  ARQUIVO EM - PDF -

SAIBA MAIS

1 2 > >>
LINK SABER - CURSO UM TORQUE - VAIALI.COM
(32) 99924 - 5729
Rua: Marechal Deodoro nº 982 (parte Alta) Juiz de Fora MG