« Voltar para Meio ambiente

Meio ambiente

ÁGUA

26 OUT, 2016 Autor: José Roberto Abramo
ÁGUA (26/10/2016)

Programa : TÁ NA REDE

 

ÁGUA
Hoje aqui no “Tá na Rede” vamos falar deste líquido precioso chamado Água.
Desde pequenos ouvimos dizer que habitamos no planeta água. E temos a impressão de que este recurso é inesgotável. Ledo engano. Infelizmente não é.
A milhares de anos, desde o resfriamento da Terra, temos a mesma quantidade de água, qual seja 1,4 bilhões de quilômetros cúbicos. Mas esta imensa quantidade não nos serve diretamente. Nós que digo, as espécies. Só podemos utilizar uma gota disto, quer dizer, precisamos de água doce. E este imenso manancial não é necessariamente doce. Aliás, somente 2,5% deste total é doce, ou seja, serve para nosso consumo. Dois terços disto estão em calotas polares e no gelo das montanhas. Do que sobra disto uma maior parte está no subsolo. A água que esteja fácil de tomarmos para nós captarmos, em rios e lago será apenas 0,26% de tudo que há de água, o que corresponde a 90 mil quilômetros cúbicos. Mas, só podemos usar de fato aquilo que é renovado pela chuva. E isto é apenas 34 mil quilômetros cúbicos ou 0,002%.
UFA! É mole? Agora vejamos uma foto que nos permite visualizar a relação de quantidade em água e o volume total da Terra.
 
A gota maior representa toda a água do mundo, a do meio mostra toda água doce, e o pequeno ponto azul (abaixo dos outros dois) representa a água doce dos rios e lagos da Terra.
Créditos: Howard Perlman / Woods Hole Oceanographic Institute
Retirado de: http://www.galeriadometeorito.com/2014/12/qual-e-porcentagem-de-agua-na-terra.html#.WAvC--ArKM8
E tem gente maltratando a água, poluindo com inseticidas, jogando fora, etc.
Onde vamos chegar?
E nós somos atualmente 7,2 bilhões de habitantes neste pequeno mundo que chamamos de Terra.
“Quando eu ainda era criança, compreendi que sem água tudo morre, mas só bem mais tarde fui entender que ninguém possui água. Ela pode nascer em sua propriedade, mas só passa por lá. Você pode usar e abusar dela, mas ela não lhe pertence. É parte do bem Universal, não uma “propriedade”, mas parte do sistema de sustentação da vida”.
Marq de Villiers – Água – p.16, Rio de janeiro – Ediouro/2002.
A água é um bem essencial à vida e se distribui no planeta de maneira desigual. Muitas regiões do planeta sofrem com falta de água.
Só para citar um dado, 60% da população do mundo está na Ásia, e ela concentra apenas 28% da água disponível. O continente Americano (Norte, Centro e Sul) concentra 45% dos recursos hídricos mas tem apenas 14% da população mundial. E acresce que estudos revelam que 10 de cada 100 habitantes não tem acesso a água potável.
No Brasil:
- 72% da água concentra-se na região Amazônica;
- 16% no Centro-Oeste;
- 8% no Sul e no Sudeste;
- 4% no Nordeste.
E não é apenas o aumento populacional previsto para 2030, cerca de 10 bilhões de habitantes, mas também o consumo desenfreado nos preocupa.
Antes de prosseguirmos, vamos ao conceito, a saber:
O que é água potável.
Naturalmente você sabe que água potável será aquela que serve ao nosso consumo, mas tecnicamente:
Água potável e água tratada
A água é considerada potável quando pode ser consumida pelo ser humano. Infelizmente, a maior parte da água dos continentes está contaminada e não pode ser ingerida diretamente.
Água tratada é aquela da qual foram eliminados os agentes de contaminação que possam causar algum dano à saúde, tornando-a potável. É um processo bastante caro e complexo.
Em alguns países, as águas residuais das indústrias ou residências são tratadas antes de serem jogadas nos rios ou no mar. Essas águas recebem o nome de depuradas e geralmente não são potáveis, pois passaram por apenas uma fase de eliminação do material contaminante (no Brasil são poucas as empresas que fazem isso).
Caso as águas se destinem ao consumo humano, aí recebem uma segunda fase de tratamento, tornando-se potáveis.
http://www.cprm.gov.br/publique/Redes-Institucionais/Rede-de-Bibliotecas---Rede-Ametista/Canal-Escola/Coisas-Que-Voce-Deve-Saber-Sobre-a-Agua-1084.html
Vamos conferir um resumo da Declaração da “ONU Água” para o Dia Mundial da Água 2010:
A água potável limpa, segura e adequada é vital para a sobrevivência de todos os organismos vivos e para o funcionamento dos ecossistemas, comunidades e economias. Mas a qualidade da água em todo o mundo é cada vez mais ameaçada à medida que as populações humanas crescem, atividades agrícolas e industriais se expandem e as mudanças climáticas ameaçam alterar o ciclo hidrológico global. (…)
A cada dia, milhões de toneladas de esgoto tratado inadequadamente e resíduos agrícolas e industriais são despejados nas águas de todo o mundo. (…)
Todos os anos, morrem mais pessoas das consequências de água contaminada do que de todas as formas de violência, incluindo a guerra. (…) A contaminação da água enfraquece ou destrói os ecossistemas naturais que sustentam a saúde humana, a produção alimentar e a biodiversidade. (…) A maioria da água doce poluída acaba nos oceanos, prejudicando áreas costeiras e a pesca. (…)
Há uma necessidade urgente para a comunidade global – setores público e privado – de unir-se para assumir o desafio de proteger e melhorar a qualidade da água nos nossos rios, lagos, aquíferos e torneiras. https:/acoesunidas.org/acao/agua/
A autora MAUDE BARLOW - maior autoridade em temas relativos à água potável no mundo, que é presidente nacional do Conselho da Food and Water Watch com sede em Washington, expõe 4 princípios para um futuro seguro em termos de água:
- A água é um direito humano;
- A água é um patrimônio comum;
- A água tem direitos também;
- A água pode nos ensinar a viver juntos.
Esta mesma autora, em entrevista datada de 2014 na Folha de São Paulo, nos diz entre outras colocações, um fato que chamamos atenção aqui neste estudo:
“Grandes empresas privadas sabiam, antes do que a maioria de nós, que a água se tornaria escassa e que quem a controlar no futuro será poderoso. A indústria da água engarrafada aproveita o medo coletivo da água contaminada e nos vende a água das nossas próprias nascentes a preços exorbitantes, criando assim enormes quantidades de lixo plástico.
As multinacionais, como Veolia e Suez, assumiram a gestão dos serviços de água pelo ganho, negando-a para aqueles que não podem pagar seus preços altos. Os empresários compram e vendem água no mercado aberto pela maior oferta. Os investidores estrangeiros e os fundos especulativos compram terras e água em países pobres, onde eles controlam e exportam o que é produzido. Em uma miríade de formas, a água deixa de ser um bem público e torna-se a propriedade de interesses particulares para seu lucro pessoal”.
Portanto, como a autora sugere, sendo a água um direito humano, negar às pessoas ou comunidades acesso à agua potável e ao saneamento básico é uma violação ao princípio básico de convivência e sustentabilidade.
Milhões de pessoas morrem por ano por causa de consumo de água salobra (tem mais sais dissolvidos que a água doce e menos que a água do mar), mais que a violência e guerras.
Em torno de 3,6 milhões de pessoas, sendo 1,5 milhões de crianças todos os anos com doenças relacionadas à água, tais como diarreia, cólera, disenteria, febre tifoide. Bilhões defecam em lugares inapropriados e mais bilhões sobrevivem sem saneamento básico. A ONU relata que mulheres e meninas passam 40 bilhões de horas em busca de água todos os anos. No que tange às meninas, isto as proíbem de ir à escola. Trabalhos relativos à água (busca) e saneamento recaem sobre mulheres e meninas, principalmente em países da África, mas não apenas.
As economias crescem mais que mais que o ritmo da população. O crescimento da economia é uma ameaça real para nossas reservas hídricas. A indústria e a agropecuária utilizam muita água. Existe, de acordo com nosso consumo, uma relação de uso indireto de água – chamado uso virtual. Então não apenas para consumo direto, mas o indireto aquele que ao consumir um produto está implícito o uso de água, que temos a estimativa de um consumo médio de água por pessoa de 4 mil litros. Porém a divisão deste consumo não é equitativa, países ricos (Norte) consomem três vezes mais carne e leite, por exemplo, que pessoas do Sul. Assim como outros produtos que indiretamente aumentam o consumo médio per-capta. 
(...)
“A Assembleia Geral das Nações Unidas em 2010 declarou que o acesso à água potável e às redes de esgoto constituem um direito humano básico. /
(...)
A complexidade da crise faz nascer um debate por diferentes perspectivas. De um lado a economia cujo objetivo é consolidar a água enquanto um bem econômico pronto para ser apropriado pelas grandes corporações do setor e, do outro lado a perspectiva sócio-ambientalista tendo a água como recurso natural vital, bem essencial para continuidade da vida.
(...)”. (ASPECTS OF LAW 9.433/97 FORWARD MOVEMENT OF PRIVATIZATION OF WATER Jorge Fernando Sampaio Monteverde/  Wallace Ferreira Carvalhosa)
“No cerne dos debates sobre a água há a distinção entre a água ser uma necessidade ou um direito. Você não pode negociar ou vender um direito humano ou negá-lo para alguém com base em sua capacidade de pagar por ele”. (Maude Barlow)
A necessidade de água tem provido a caça a água como a perfuração de poços (à procura de água subterrânea) que vieram a aumentar em 50% nas últimas décadas, e ainda aumentam. O bombeamento de água subterrânea entre 1960 e 2000 é responsável por aproximadamente 25% da elevação no nível do mar.
A escassez de água, tem promovido a sua caça pelos poderosos, para que seja vista como mercadoria e não direito. Não tem como ver a água como mercadoria se um ser humano não vive sem água.
“A propriedade pública é o vasto domínio que se encontra fora do mercado econômico e do estado institucional, e que todos nós usamos tipicamente sem pagar taxa ou preço. A atmosfera e os oceanos, as línguas e as culturas, as reservas de conhecimento humano e sabedoria, os sistemas de apoio informal da comunidade, a paz e a tranquilidade que buscamos, os blocos de construção genética da vida – estes são todos os aspectos da propriedade pública”. (Jonathan Rowe – jornalista).
A água engarrafada é uma forma controversa de privatização da água, uma vez que as fábricas exploram cursos d’água, rios e aquíferos e aas engarrafam produzindo lixo plástico. Com isto, já que a água engarrafada caminha (é vendida) em todo mundo, desta forma em países pobres, por exemplo, a água engarrafada poderá remover a necessidade de sistemas hídricos públicos, que atendam as populações.
Hoje em dia trabalha-se a ideia da dessalinização da água do mar, que por enquanto ainda é um processo caro que demanda muita energia. Novas tecnologias estão barateando este processo. Existem algumas usinas no mundo, em Israel, Arábia Saudita, no EUA, etc.
Clima
A água está relacionada com a maior parte dos desastres naturais relacionados com o clima, como enchentes furacões e secas. Podemos ter como certo que a água está no centro das transformações pelas quais o planeta passa e já passou. Temperaturas altas e mudanças extremas nas condições meteorológicas podem afetar a disponibilidade e a distribuição de chuvas, da neve que derrete, o fluxo dos rios e das águas subterrâneas, e deteriorar a qualidade de vida de uma maneira geral. E sempre os mais pobres são suscetíveis aos efeitos mais deletérios.
O mundo possui inúmeros aquíferos, mas explorar simplesmente a água dos aquíferos pode nos trazer problemas posto que alimentam mananciais de água na superfície e formam lagoas, rios ou pântanos.
Mas como é de fato um aquífero?
“A água costuma preencher os espaços entre os sedimentos arenosos, como se fosse em uma tigela com areia e água misturados, ou se infiltra pelas fraturas, ou rachaduras, das rochas - pense em uma imensa esponja que absorve a água e você vai ter a ideia mais próxima do que é um aquífero. Apenas em alguns casos a água fica armazenada em bolsões, quando ela dissolve as rochas”. (http://educacao.uol.com.br/disciplinas/geografia/aquifero-guarani-aguas-subterraneas-tambem-estao-em-risco.htm)
O Brasil tem 07 aquíferos, sendo os maiores o Álter do Chão e o Guarani.
NOTÍCIA UOL 21/03/2015 - Imagine uma quantidade de água subterrânea capaz de abastecer todo o planeta por 250 anos. Essa reserva existe, está localizada na parte brasileira da Amazônia e é praticamente subutilizada.
Até dois anos atrás, o aquífero era conhecido como Álter do Chão. Em 2013, novos estudos feitos por pesquisadores da UFPA (Universidade Federal do Pará) apontaram para uma área maior e deram uma nova definição.
"A gente avançou bastante e passamos a chamar de SAGA, o Sistema Aquífero Grande Amazônia. Fizemos um estudo e vimos que aquilo que era o Álter do Chão é muito maior do que sempre se considerou, e criamos um novo nome para que não ficasse essa confusão", explicou o professor do Instituto de Geociência da UFPA Francisco Matos.
Segundo a pesquisa, o aquífero possui reservas hídricas estimadas preliminarmente em 162.520 km³ --sendo a maior que se tem conhecimento no planeta. "Isso considerando a reserva até uma profundidade de 500 metros. O aquífero Guarani, que era o maior, tem 39 mil km³ e já era considerado o maior do mundo", explicou Matos.
O aquífero está posicionado nas bacias do Marajó (PA), Amazonas, Solimões (AM) e Acre --todas na região amazônica--, chegando até a bacias sub-andinas. Para se ter ideia, a reserva de água equivale a mais de 150 quatrilhões de litros. "Daria para abastecer o planeta por pelo menos 250 anos", estimou Matos.
Desta forma, reunimos vários enfoques da água, sempre trazendo resumos e os tópicos destes resumos vocês podem pesquisar e aprofundar suas pesquisas.
Espero que todos tenham gostado deste resumo que não de todo dá cabo da largueza e profundidade do assunto, pois teríamos de falar de poluição das águas pelo ser humano e por indústrias, entre outros enfoques, mas em outra oportunidade podemos perseguir este intento.
Ficamos por aqui.
Se você gostou, comente, curta, compartilhe, fale com os amigos, deixe sugestões.
E sempre:
 O Vai Ali Tá na Rede.
 
https:/acoesunidas.org/acao/agua/
https:/acoesunidas.org/pos2015/ods6/
http://super.abril.com.br/ciencia/vai-faltar-agua
http://www.ebah.com.br/content/ABAAABrIUAH/principais-sistemas-aquiferos-brasil
http://www.pensamentoverde.com.br/meio-ambiente/conheca-os-principais-aquiferos-brasileiros/
http://www.cprm.gov.br/publique/Redes-Institucionais/Rede-de-Bibliotecas---Rede-Ametista/Canal-Escola/Coisas-Que-Voce-Deve-Saber-Sobre-a-Agua-1084.html
http:/oticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2015/03/21/maior-aquifero-do-mundo-fica-no-brasil-e-abasteceria-o-planeta-por-250-anos.htm
A Última Gota – Editora Planeta – Vanessa Barbosa – São Paulo 2014
Água /Futuro Azul – Editora M.Books – Maude Barlow – São Paulo/2015.
Água – Ediouro – Marq de Villiers – Rio de Janeiro/2002
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

 
Comentários

Nenhum comentário feito. Seja o primeiro!

Deixe um comentário:

[ Não será exibido ]
 
 

Mais Meio ambiente

Meio ambiente, lixo, preservação, sustentabilidade

23 OUT, 17 Autor: José Roberto Abramo

Vamos fazer um breve resumo de cada eixo.

SAIBA MAIS

PETRÓLEO

21 OUT, 16 Autor: José Roberto Abramo

Petróleo, sua natureza e necessidade na civilização. E ainda, a História do PRÉ-SAL. (arquivo em vídeo)

SAIBA MAIS

ENERGIA GEOTÉRMICA

29 ABR, 15

 ENERGIA   -  GEOTÉRMICA  -  ARQUIVO EM - PDF -

SAIBA MAIS

1 2 > >>
LINK SABER - CURSO UM TORQUE - VAIALI.COM
(32) 99924 - 5729
Rua: Marechal Deodoro nº 982 (parte Alta) Juiz de Fora MG